Os Vaz Velho – Parte V : As origens catalãs da esposa do cozinheiro

Brasão da Catalunha (fonte: Wikipedia)

No primeiro artigo desta série dedicada aos Vaz Velho, e quem tivesse atentado na árvore Genealógica desse artigo, deve ter reparado no nome da esposa de Manuel Vaz Velho, o cozinheiro real, que fundou esta casa tinha como esposa Rosa Maria Baram y Columé. O nome soa a castelhano, mas na realidade é catalão, sendo esta senhora natural da paróquia de Santa Maria del Mar, em Barcelona.
Ora sabe-se que Manuel esteve na Catalunha porque começou por ser sumiller (isto é, copeiro) do Conde do Redondo quando este esteve em Barcelona, antes do início da Guerra de Sucessão Espanhola (1701-14). Para ser breve, pode-se dizer que esta guerra surgiu de um impasse na sucessão na coroa espanhola fruto da morte do último Habsburgo  espanhol, Carlos II, sem descendentes directos: e formaram-se dois partidos: um que apoiava Filipe De Bourbon, neto de Luís XIV de França e outro, em que Portugal apoiou, apoiando o Habsburgo austríaco, o arquiduque Carlos. Em Espanha diferentes regiões apoiavam um dos partidos: em Castela  os Bourbon e na Catalunha os Habsburgo. Foi exactamente na Catalunha que Manuel Vaz Velho se encontraria na corte do arquiduque austríaco Carlos, tendo como esposa  a tal senhora catalã. Após diferentes voltes-face, a guerra terminou em 1714 com o tratado de Utreque e o reconhecimento do pretendente Bourbon como rei de Espanha como Filipe V. Uma das filhas do cozinheiro, Maria Francisca casou-se com um militar catalão, do partido apoiante dos austríacos, exilado em Faro, Bento Romanguer, da qual ainda hoje existe descendência em Portugal, nomeadamente o autor do blogue que serve de fonte para este artigo.

Fonte: Artigo de João Paulo Esquivel em Um Austracista Catalão exilado em Portugal relembrado por um seu descendente (1714/2014)

O Palacete dos Vaz Velho

OS “VAZ VELHO” DE TAVIRA (Parte IV)

O Solar a receber obras de conversão (2019)
O palacete na actualidade (2019), já em obras

O palacete dos “Vaz Velho” encontra-se actualmente em fase de remodelação para o vir a converter numa unidade hoteleira. Neste texto far-se-à menção à história deste palacete/solar e os diferentes proprietários que foi tendo ao longo da sua história, pelos menos aqueles que são conhecidos.

O palacete foi executado na vertente de uma encosta do vale do rio, sobre um socalco. Permitindo uma vista desafogada sobre o vale, terá sido construído como forma de poder manifestar o novo status social da família, sobranceiro sob a cidade e o rio, e ao mesmo tempo permitir vigiar as suas posses, a Serra, a Quinta e o Horto da Belafria. O palacete era um típico solar nobre da época da segunta metade de setecentos. No caso deste solar, ele junta duas tendências arquitectónicas: o telhado de tesouro típico da região com o estilo pombalino inspirado no neoclássico: dois pisos com janelas altas com varandim, todas com as mesmas dimensões e igualmente espaçadas ao longo da fachada, reflexo das formas geométricas concretizadas na ortoganalidade impressa na fachada.

Continuar a ler “O Palacete dos Vaz Velho”

As vinte e não sei quantas Igrejas de Tavira

Traseiras da Igreja de S. Maria do Castelo, a matriz. Foto: Wikipedia.

Aqui fica um mapa das 20 igrejas de Tavira [1]. Alguém levantou a questão de quantas são afinal !? Vinte e uma são referidas por Anica e Damião de Vasconcelos e todas se situam dentro do perímetro urbano. Rui Salvé Rainha [2] refere trinta e seis, contando com as igrejas da periferia (eg S. Margarida, N.S. da Saúde) e as que já existiram. Eu fui ao mapa e de memória contei vinte igrejas. Na minha óptica, convento e sua igreja associada contam como um corpo único: há quem as conte como duas – igreja e convento – deste ponto de vista, N.S. do Carmo e S. Francisco contam como dois templos separados, ficando assim com vinte e duas. Não contabilizei as igrejas da periferia: Santa Margarida, Capelinha, N.S. da Saúde e São Domingos (já demolida). Assim ficaríamos com vinte e seis. Mas não concordo com este critério, porque assim teríamos de contar com a igreja de Santa Luzia, que está a uma distância do interior da cidade inferior à da ermida de N.S. da Saúde. O critério mais correcto será então contar apenas com as igrejas situadas nas duas freguesias históricas da cidade. Portanto, assim e apenas tendo em conta as que estão de pé (excluindo S. Domingos) temos vinte e três. Cada um agora diga de sua justiça.

Continuar a ler “As vinte e não sei quantas Igrejas de Tavira”
[1] V.a.. 2010. Tavira – cidade das Igrejas. Edited by de Tavira, Município. .
[2] Salvé Rainha, Rui and Délio Lopes. 2013. Procissões, romarias e tradições de Tavira. Edited by Author. .

Os Vaz Velho de Tavira (parte III)

António José Vaz Velho (1771 – 1860), autarca, cosmógrafo e heraldista

Brasão de António José Vaz Velho

Já aqui se falou dos Vaz Velho, que têm como ancestral Manuel Vaz Velho, que foi cozinheiro da corte de João V, o que lhe permitiu ganhar fama e fortuna, para mais tarde ascender socialmente, confiando os seus ganhos à sua descendência. Para além do seu filho Manuel José, que foi Senhor da Serra e erigiu o palacete da Bela Fria há a acrescentar o seu neto António José Vaz Velho, que foi, além de um digno militar, engenheiro e heraldista, para além de presidente da Câmara após o triunfo do liberalismo.

Continuar a ler “Os Vaz Velho de Tavira (parte III)”

Sebastião Martins Mestre, o único conquistador do Forte de São João da Barra

O Dia 13 de Junho de 1808, para além de ser o dia de Santo António, marca o dia que a história registou como a única ocasião que o Forte de São João da Barra foi tomado. Não por uma força invasora proveniente do mar, mas por paisanos da própria freguesia da Conceição, liderados por um capitão português que estava afastado do activo por actividades comerciais em Gibraltar, onde se tinha casado e constituído família. O seu nome ? Sebastião Martins Mestre.

Regressado de Gibraltar com a esposa e a filha criança, pouco tempo após a chegada das forças da primeira invasão francesa de Junot ao Algarve em Novembro de 1807, quiçá para se por ao pleno da situação em que se encontravam as suas duas propriedades rurais na freguesia da Conceição, Martins Mestre não terá ficado agradado de ver franceses a tomarem conta da administração e a cobrar impostos sobre todas as actividades primárias, de tal forma que, com a ajuda de “paisanos” e armamento quiçá disponibilizado pela Marinha Real Britânica, tomou o Forte que vigiava a principal entrada marítima à então capital do Reino do Algarve.

Conhecemos estes factos pela carta em que mais tarde o Governador do Reino do Algarve D. Francisco de Meneses relata-os ao príncipe regente D. João, então exilado no Brasil.

Continuar a ler “Sebastião Martins Mestre, o único conquistador do Forte de São João da Barra”

Os “Vaz Velho” de Tavira – a delacção

Manuel José Vaz Velho foi alvo de denúncia de maus tratos à população da Serra de Tavira que foi redigida em reunião de vereação em 1758 e enviada ao rei.

PARTE 2 – A DELACÇÃO DOS MONTESINOS CONTRA O “SENHOR DA SERRA”

Foi referido no artigo anterior, que Manuel José Vaz Velho, filho do cozinheiro real de João V, comprou a propriedade da Serra de Tavira aos descendentes do Manuel Godinho de Castelo Branco, antigo capitão-mor e guarda-mor da Saúde em Tavira a quem a Câmara havia cedido a propriedade por razões de financiamento em 1646. Cerca de 112 anos mais tarde, em 1758 temos notícia que o título havia sido adquirido por Manuel José.

Assinatura de Manuel José Vaz Velho nas atas de vereação de 1758

Em Setembro desse ano, nas atas de vereação que se conservaram do período 1758-62, temos uma entrada na ata muito pouco vulgar, a seguir às assinaturas habituais do escrivão e vereadores segue-se página e meia de assinaturas em cruz que muito provavelmente pertencerão aos campesinos que vieram apresentar as denúncias contra os vexames perpretados pelo “Senhor da Serra”.

Continuar a ler “Os “Vaz Velho” de Tavira – a delacção”

Os “Vaz Velho” de Tavira – ascensão e desvanecimento

Há 300 anos, o magnânimo rei João V teve na copa da sua corte um ilustre natural da Conceição. Por essa graça, a sua família ascendeu socialmente em Tavira durante um século. Primeiro capítulo que serve de introdução à família que erigiu o Palacete da Bela Fria.

PARTE I – INTRODUÇÃO

Placa de travessa na Conceição.

Bem, é chegada a altura de me debruçar sobre aquela que é a única família fidalga originária da freguesia da Conceição – os “Vaz Velho”. Tal como Tavira é o berço de duas outras famílias nobres – os “Corte Real” e os “Nobre”[1] – e, aproveitando o momento actual, em que o antigo palacete desta família está a receber obras para transformá-lo em algo que provavelmente será um “hotel de charme”.

Continuar a ler “Os “Vaz Velho” de Tavira – ascensão e desvanecimento”

[1] Unknown. 1989. A familia Nobre – artigo de enciclopédia. Verbo.

A “Typographia Burocratica”

Há 140 anos, uma tipografia em Tavira notabilizou-se por uma ideia inovadora na altura: publicação dedicada apenas a anúncios classificados. Ideia de um parente de Fernando Pessoa. Foi a então “Typographia Burocratica”.

Antigas instalações da Tipografia na Rua Nova Pequena (4). A tipografia ocupava vários edifícios deste lado da rua (ver imagem seguinte) – do 1 ao 3 e do 7 ao 11 (5 portas) – o que dá para ter uma ideia da dimensões das suas instalações.

A Typographia Burocratica foi criada em Tavira, em 1882 por João Daniel Gil Pessoa (5) (6), primo irmão do pai de Fernando Pessoa, com instalações inicialmente na actual rua Jacques Pessoa nº5 e 7 (7). De lá mudou-se para aquelas que vieram a ser as suas instalações de maior duração, na artéria então conhecida por Rua Nova Pequena. Aí ocupou o espaço de 5 portas – quase todo o lado leste da rua.

O verdadeiro aspecto inovador da tipografia de João Gil Pessoa – para além da impressão de formulários, cadernos e outro material de escrita destinados a escriturários como ele próprio – foi o de criar uma publicação periódica dedicada exclusivamente a publicidade, o que hoje chamaríamos páginas de classificados ou páginas amarelas, mas que eram um conceito inovador para época. Essa publicação assumiu o nome Jornal de Anúncios de Tavira. Depois, através de uma rede de correspondentes, alargou o âmbito das publicações, criando novas versões de um Jornal de Anúncios para várias localidades algarvias (8) [1].

Continuar a ler “A “Typographia Burocratica””
  • (4) actualmente Rua Alexandre Herculano, ao virar da esquina oeste dos Paços do Concelho, onde se encontra a suposta efígie de Paio Peres Correia
  • (5) Empreendedor tavirense, trabalhou na Comarca de Tavira como escrivão, e para além da tipografia criou a Transportadora Tavirense que permitiu as primeiras carreiras entre Tavira e Lisboa e a moagem/panificadora no antigo Convento das Bernardas
  • (6) as escrituras redigidas por João Pessoa, incluídas no acervo documental do notariado de Tavira, estão guardados no Arquivo distrital de Faro, e cobrem um período de 1877 a 1901
  • (7) a rua marginal esquerda do rio, desde a Ponte Romana até à Ponte Provisória
  • (8) Alcoutim, Vila Real, Olhão, Faro, Loulé, Albufeira, Lagoa, Silves, Monchique, Portimão, Lagos, chegando inclusivamente a editar também para Cuba e Mértola, no Alentejo estavam entre as localidades cada uma com o seu Jornal de Anúncos
[1] de Palma, Patrícia Jesus. 2018. TIPOGRAFIA BUROCRÁTICA (TAVIRA, 1882-1912). LIGAÇÕES TRANSLOCAIS DA CULTURA IMPRESSA: GENTES, SABERES E TEXTOS.. Anais do Município de Faro 40 (40):207-226. link

O bébé D. Fernando (continuação)

No artigo anterior relativo ao filho de D.Rodrigo de Noronha
que nasceu em Tavira em 1761 , e o pai que foi o governador do Algarve que operou a mudança da sede do governo do Reino do Algarve de Lagos para Tavira após o terramoto, ficou a pairar a ideia se o filho de D. Rodrigo ao chegar à idade adulta teria ficado a constar nos anais da História Nacional. Graças ao geni.com, mais um dos sites de genealogia e dos poucos que deixam consultar as árvores genealógicos (com permissão dos seus editores) deparei-me com Fernando António Soares de Noronha, nascido em Tavira em 1741, a 30 de Julho. Fui verificar os cadernos disponíveis da paróquia de Santa Maria para os baptismos dessa data nada aparece, e para mais o nome de Rodrigo de Noronha figurava como pai. Na posse da prova da data correcta do nascimento da pessoa, contactei o responsável da árvore, mostrando-lhe a certidão de baptismo, e perante os nomes presentes na certidão, não dava lugar a dúvidas.

Antigo paço dos Noronha e Meneses, demolido para dar origem às actuais instalações da imprensa nacional (foto do blog Lisboa de Antigamente)
Continuar a ler “O bébé D. Fernando (continuação)”

A primeira referência a “Gomeira” num documento

Neste dia do ano de 1272 finalmente Afonso III e a Ordem de Santiago chegavam a acordo relativamente à propriedade de terras e bens no Reino do Algarve. Entre as terras que o rei concedeu à Ordem contava-se a “Herdade da Gomeira”.

Original do Tomo 3 da Chancelaria de Afonso III (folio 29 verso). A azul referência a “Gomeira”. A verde é visível “Tavila”, “Caçalla”, “Castrum Marim” e “Abenfabila”, último alcaide mouro de Tavira.

Já referi nos primeiros artigos deste blog que a referência a “Gomeira” vem desde tempos medievais, sendo o topónimo mais antigo da freguesia, e as ligações da mesma com a Ordem de Santiago, porque supostamente a jurisdição destas terras terá sido concedida por Afonso III em documento régio pouco tempo após a conquista cristã de Tavira. O Foral de Afonso III, datado de 1266, cujo texto se reproduz aqui em português actual, é no entanto omisso relativamente ao topónimo. Após algum tempo de pesquisa, consegui finalmente entender que a concessão à Ordem é feita fora do âmbito do foral, e feita no contexto das terras algarvias que Afonso III pretendia que ficassem na sua jurisdição após negociar com a ordem as terras que teriam sido conquistadas pelos espatários como foram Cacela, Ayamonte e  Tavira. Afonso III não tinha direito pleno sobre o Algarve, porque ainda estava sob a suserania do seu sogro Afonso X de Castela e Leão. No entanto, em 1267, com o tratado de Badajoz, Afonso III vai ver finalmente obter do seu sogro o direito de cedência da província mais meridional de Portugal no reino lusitano. Com esta questão da fronteira luso-castelhana definida, Afonso III vai então tratar com os representantes da Ordem de Santiago de resolver os diferendos relativos aos castelos e terras inicialmente detidos pela Ordem após a conquista dos castelos.

Continuar a ler “A primeira referência a “Gomeira” num documento”